Comunidade da Lagoa Grande faz apresentação da Dança da Jiboia no dia do Ministério Público Itinerante em Franciscópolis

As comunidades rurais de Franciscópolis apresentam uma grande diversidade de expressões culturais e artísticas, advindas, principalmente, dos seus primeiros moradores.

Referindo-se as danças tradicionais, pode-se citar: o caboclo, o catira, o ricortado, o quatro, o nove, o vilão, a jiboia e entre outras.

A Dança da Jiboia que é praticada na Comunidade da Lagoa Grande foi uma das apresentações culturais ocorridas no dia do Ministério Público Itinerante.

Evento ocorrido no dia 30 de março de 2016 que envolveu todo o município de Franciscópolis com diversas ações de cidadania. 

Os moradores mais antigos da Lagoa Grande contam, que essa dança tem muitos anos e nem sabem, exatamente, quando ela surgiu na região. “Já nascemos vendo todo mundo dançando a Jiboia por aqui”, diz uma moradora.

“A Jiboia é um divertimento, começa de uma hora para a outra e com versos improvisados. Quando a gente esta numa festa e, de repente, ali mesmo começamos a Jiboia. O interessante é que todo mundo pode entrar, fazer parte da dança, a gente quer mesmo é ver ela crescer”, conta outra moradora.

Os versos seguem sempre o mesmo refrão que diz: “tindolelê, tindolalá, arreda do caminho deixa a jiboia passar”. Contudo, existe o verso específico para iniciar a dança que diz assim: “a cabeça da jiboia representa a cristalina, fica no meio dos homens e no coração das meninas”.

E enquanto os cantadores vão jogando os versos, as pessoas vão formando uma grande fila, ou seja, a jiboia, que segue o ritmo animado da música e fazendo voltas e voltas pelo espaço.

Acompanhe abaixo algumas fotos do momento da apresentação da Dança da Jiboia.

E após a apresentação da Dança da Jiboia iniciou-se as "batalhas" de versos improvisados, animadas pelos ritmos dos refrões populares "cai sereno cai" e "chorou pavão dourado".

Exibições: 140

Responder esta

Este deve ser um espaço de interação e troca de experiências entre os participantes da Rede de Jovens Comunicadores do Semi-árido Mineiro.

© 2017   Criado por Oficina de Imagens.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço